74 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, Dia da Vitória é comemorado no Rio de Janeiro

Há 74 anos o grito de liberdade ecoava na Itália, chegava ao fim a Segunda Guerra Mundial. O Brasil esteve no combate com mais de 25 mil homens e perdeu 451 que representaram o País até o último minuto de vida. A importante data lembrada como o Dia da Vitória foi comemorada nesta quarta-feira (8), no Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro.

esta imagem não possui descrição

Na leitura da Ordem do Dia, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, ressaltou que a comemoração faz refletir sobre militares e civis ombreados na luta pela Pátria. “São nobres anseios e efetivas ações. E sempre surpreendemos! Se era “mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na Guerra”; pois bem, a cobra fumou! E nossos pracinhas forjaram-se heróis!”, destacou.

Para o ministro, mais que do que reconhecer, é dever de todos preservar as conquistas que foram asseguradas pelos antepassados e honrar a trajetória digna de respeito daqueles que lá estiveram. Fernando Azevedo acredita que “acima de tudo, é preservar a vocação brasileira para a resolução de conflitos, a marca assertiva que nossos soldados de ontem e de hoje trazem consigo: combater o bom combate e buscar a paz acima de tudo”.

esta imagem não possui descrição

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, esteve presente na cerimônia e homenageou os ex-combatentes em seu discurso. De acordo com ele, os que não voltaram trouxeram a esperança, a chama, a verdade e a certeza de que o Brasil gozara de liberdade e de democracia, e ao lado da disciplina, poderá sim, um dia, conseguir com que todos obtenham ordem e progresso. “Não tem preço estar ao lado de pessoas que, no passado, garantiram aquilo que é muito mais importante do que a nossa vida, a nossa liberdade. Nós temos sim heróis no Brasil, esses que estão ao meu lado são os heróis de verdade da nossa Pátria”, discursou.

esta imagem não possui descrição

A comemoração é marcada pela entrega da Medalha da Vitória. Este ano, cerca de 300 civis e militares  e três organizações militares (Fragata Liberal, Bateria  de Comando da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão do Exército, Escola de Especialistas de Aeronáutica) foram agraciados. Entre eles, Nelson Barbosa, 99 anos. um dos combatentes da Segunda Guerra Mundial, que lembrou com emoção do 8 de maio de 1945. “Eu vi muita coisa na Itália, algumas não gosto nem de recordar, foram anos tristes.  Mas essa medalha que recebo hoje, vale por todas que já tenho, pois celebra um dia vitorioso que tivemos”, destacou. Nelson atua como presidente da Associação dos ex-combatentes São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

esta imagem não possui descrição

Após a entrega da medalha, ocorreu a aposição de uma coroa de flores no túmulo do soldado desconhecido. Em seguida, nas proximidades do monumento, a tripulação do Navio Patrulha Gurupi em postos de continência, executaram a salva-fúnebre de 15 tiros. Durante a execução do toque de silêncio, foram lançadas pétalas de rosas sobre o túmulo do soldado desconhecido, como homenagem aos heróis sepultados. Ao fim da cerimônia, ocorreu o desfile militar em continência ao Presidente da República.

 Também estiveram presentes ao evento o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa jjunior, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Brigadeiro Raul Botelho, o secretário-Geral do Ministério da Defesa, Almirante Almir Garnier, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, General Floriano Peixoto, ministro-chefe do Gabinete Institucional de Segurança, General Augusto Heleno, além do governador e do prefeito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e Marcelo Crivella, respectivamente.

 Condecoração

 O Decreto nº 5.023, de março de 2004, criou a Medalha da Vitória em reconhecimento à atuação do Brasil em defesa da liberdade e da paz mundial, em especial na 2ª Guerra Mundial.

esta imagem não possui descrição

A Medalha da Vitória se destina a agraciar militares das Forças Armadas, civis nacionais, militares e civis estrangeiros, policiais e bombeiros militares e às organizações militares e instituições civis nacionais que tenham contribuído para a difusão dos feitos da Força Expedicionária Brasileira e dos demais combatentes brasileiros durante a 2ª Guerra Mundial, participado de conflitos internacionais na defesa dos interesses do País, integrado missões de paz, prestado serviços relevantes ou apoiado o Ministério da Defesa no cumprimento de suas missões constitucionais.

Por Julia Santos

Fotos: Marcos Correa/PR

Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>