Ações de Defesa para Olimpíadas estão entre os principais focos do novo chefe do EMCFA para 2016

Ações de Defesa para Olimpíadas estão entre os principais focos do novo chefe do EMCFA para 2016

Brasília, 08/12/2015 – O almirante-de-esquadra Ademir Sobrinho assumiu a chefia do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), na terça-feira (08), com as ações de Defesa para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos entre suas principais expectativas para o próximo ano. O almirante destacou que o planejamento para o enfrentamento contraterrorismo já foi finalizado, e que os treinamentos conjuntos seguem para que a atuação das Forças esteja coordenada nos eventos.

EMCFA 1Ele também falou como funciona a estratégia basilar de preparo. “Para os grandes eventos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, fazemos planos julgando as piores hipóteses”, enfatizou.
Em entrevista prévia à cerimônia de transmissão de cargo, Sobrinho discorreu sobre os principais pontos de atenção na sua gestão.

Programas

“O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas é um dos programas em andamento que deve aumentar a capacidade de comunicação para Forças”, avalia Sobrinho. O projeto tem o objetivo de trazer tecnologias espaciais críticas, por meio de programas de transferência e de absorção de tecnologia, além de possibilitar cobertura de internet para 100% do território nacional.
Outro programa que o almirante classifica de grande relevância é o H-XBR, que contempla a aquisição de 50 helicópteros de transporte EC-725 para a Marinha, o Exército e a Aeronáutica. O projeto é pioneiro na modalidade de aquisição conjunta das Forças, e as aeronaves estão preparadas para realizar missões de transporte tático, tropas, cargas, reabastecimento em voo, busca e salvamento, combate e esclarecimento e proteção de superfície marítima.

Operações conjuntas

Sobre a coordenação de exercícios e operações que envolvem a participação das três Forças Singulares, sob a responsabilidade do EMCFA, Sobrinho assegura que, a partir delas, são testadas as variantes e pode-se observar os níveis táticos de interoperabilidade entre as Forças, que é atuação conjunta da Marinha, do Exército e da Aeronáutica. “Essas operações são importantes porque nos mostram quais deficiências precisam ser corrigidas, como a aquisição de novos equipamentos e outras mudanças estratégicas”, exemplifica. Sobrinho alertou que a atual conjuntura econômica do país deverá ter repercussão na área dos exercícios, que devem ter o número reduzido no ano de 2016.

O EMCFA

O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) foi instituído em 2010, com a missão de promover e coordenar operações e exercício conjuntos entre as Forças Singulares e assessorar o ministro da Defesa.
Cabe ao EMCFA planejar o emprego conjunto e integrado de efetivos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, otimizando o uso dos meios militares e logísticos na defesa do país e em operações de paz, humanitárias e de resgate; segurança das fronteiras; e ações de Defesa Civil.

Foto:Gilberto Alves/ MD

(MD ASCOM/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *