Além de arrecadar alimentos, Forças Armadas distribuem refeições à população

Suprir alimentação é um dos focos das Forças Armadas durante a pandemia. Com o risco de desabastecimento de famílias em situação de vulnerabilidade, Marinha, Exército e Aeronáutica têm atuado também nessa frente. Em dois meses de operação, perto de 1,5 mil toneladas de alimentos foram arrecadados e distribuídos.

A essa ação, soma-se a entrega de 19.640 Kits de alimentos para as famílias dos alunos do Programa Forças no Esporte (PROFESP), de inclusão social por meio do esporte, em todas as regiões do País. A população indígena também tem recebido grande atenção. Mais de 3 mil cestas básicas foram distribuídas em aldeias indígenas de várias etnias nos estados do Pará e do Amazonas. Além de recursos alimentícios, algumas comunidades receberam materiais de higiene.

esta imagem não possui descrição

Os militares também estão utilizando sua logística para prover a alimentação de forma mais urgente. As cozinhas operacionais das Forças também produzem e distribuem refeições a pessoas com maiores dificuldades para obter alimentos.

A Força Aérea Brasileira, por meio dos Grupamentos de Apoio Logístico de Campanha (GALC), dos Afonsos (GAP-AF) e de São Paulo (GAP-SP), além da Base Aérea de Santos (BAST), produz e distribui refeições desde 4 de maio para caminhoneiros que trafegam pela SP-055, próximo ao Porto de Santos, em São Paulo. A estimativa é de 800 unidades distribuídas diariamente no almoço e no jantar.

esta imagem não possui descrição

A estrutura inclui um contêiner, onde funciona uma cozinha industrial, e duas cozinhas com mobilidade, montadas na carroceria de um veículo chamado Rodomapre, para o transporte do alimento. A atividade tem previsão de dois meses de duração para suprir a restrição de funcionamento dos postos de serviço localizados às margens da rodovia.

O Comandante da Base Aérea de Santos, Tenente-Coronel Aviador Francisco José Formaggio, explicou a escolha do local para a distribuição. “A maioria dos caminhões que por aqui trafegam faz parte da logística portuária e as atividades são diuturnas e de forma continuada. Por isso, muitos caminhoneiros encontram dificuldades em conseguir alimentos, já que alguns pontos estão com atendimento fechado ou bastante restrito”, comenta.

esta imagem não possui descrição

Já o Exército atuou no Rio Grande do Sul, com o 6º Grupo de Artilharia de Campanha, distribuindo refeições a caminhoneiros que trafegavam pelo município gaúcho de Chuí, na fronteira brasileira com o Uruguai. Os militares contaram com o apoio de comerciantes do município de Santa Vitória do Palmar, no mesmo Estado. No norte do País, o 8º Batalhão de Engenharia de Construção, em Santarém (PA), distribuiu marmitas para caminhoneiros nas proximidades do distrito de Moraes Almeida. Eles contaram com o apoio do 53º Batalhão de Infantaria de Selva.

A Força Terrestre também utilizou uma cozinha militar de campanha para produzir e entregar refeições à população de Farroupilha, na Serra Gaúcha, por meio do 6º Batalhão de Comunicações. A ação foi repetida nos bairros São Francisco, São José, Alvorada e Industrial, com a participação da Defesa Civil do Rio Grande do Sul e da Prefeitura Municipal, com a qual o Exército mantém Termo de Cooperação.

Além da alimentação, as famílias receberam material gráfico destinado às crianças, com histórias do Recrutinha, personagem infantil da Força Terrestre. No mesmo Estado, em Pelotas, o 9º Batalhão de Infantaria Motorizado também apoiou a Associação de Juízes do Estado (AJURIS) na distribuição de “quentinhas” a pessoas em situação de rua. Cada atendido recebeu refeição quente, água, sobremesa, talheres, sabonete, máscara e folhetos com instruções sobre higiene e enfrentamento à Covid-19.

esta imagem não possui descrição

O Comando do 5º Distrito Naval, da Marinha do Brasil, apoia o Projeto Acolher, da Prefeitura da cidade de Rio Grande, também no Rio Grande do Sul. Dentro da Operação Covid-19, a Organização Militar fornece refeições para famílias em situação de vulnerabilidade atendidas pelo projeto local. “Diariamente, produzimos aqui 120 refeições que são distribuídas no Centro de Eventos. Muitas dessas pessoas talvez tenham só essa refeição no dia, então procuramos trabalhar com dedicação e carinho porque sabemos da necessidade”, afirma o Suboficial Ilson Xavier Duarte, do Comando do 5º Distrito Naval, que trabalha na atividade.

Operação COVID-19

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando Aeroespacial (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do governo federal no enfrentamento à pandemia que recebeu o nome de Operação COVID-19.

esta imagem não possui descrição

 As demandas recebidas pelo Ministério da Defesa, de apoio a órgãos estaduais, municipais e outros, são analisadas e direcionadas aos Comandos Conjuntos para avaliarem a possibilidade de atendimento. De acordo com a complexidade da solicitação, tais demandas poderão ser encaminhadas ao Gabinete de Crise, que determinará a melhor forma de atendimento.

Por Tenente Felipe Bueno, com Comandos Conjuntos
Fotos: Divulgação das Forças Armadas

(MD ASCOM/FM)

 

Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>