Alunos de escola conveniada à FAB no Amazonas são destaque em Olimpíada de Matemática

Alunos de escola conveniada à FAB no Amazonas são destaque em Olimpíada de Matemática

A Escola Estadual Brigadeiro João Camarão Telles Ribeiro, localizada na zona sul de Manaus (AM), conquistou nove medalhas na 12ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas 2016 (OBMEP). O colégio também ganhou 15 menções honrosas nessa edição. A escola, que é conveniada à Força Aérea Brasileira (FAB) na capital amazonense, já soma mais de 20 medalhas em participações na OBMEP. A premiação, divulgada no início de dezembro, será entregue em 2017.

alunos-1
Escola conveniada à FAB ganha medalhas em olimpíada de matemática

“O feito deles não é qualquer feito. Eles competiram com alunos de todo o Brasil, de todos os estados do País”, disse o professor de matemática, o Suboficial Alexandre Duarte da Silva, que preparou os alunos da escola.

Neste ano, cerca de 18 milhões de estudantes de todos os estados brasileiros participaram da disputa. Ao todo, 47.474 escolas de 99,59% dos municípios do Brasil estiveram presentes nessa edição da olimpíada. A Escola Brigadeiro Camarão conquistou uma medalha de ouro, uma de prata e sete de bronze.

Medalhista em três edições da competição, com duas medalhas de prata (2014 e 2015) e uma de ouro (2016), o aluno do nono ano do ensino fundamental, João Pedro Barbosa, destacou a importância do resultado obtido pelo colégio para o Estado do Amazonas. “Anualmente, poucas medalhas vêm para o Amazonas. Ganhar uma dessas poucas medalhas é um motivo para eu querer estudar mais”, disse.

A satisfação pela conquista também contagiou o aluno Willian da Silva Lopes Junior, também do nono ano e medalhista de prata, que falou de sua reação ao ver o resultado alcançado. “No começo, senti muita felicidade porque vi todo o esforço que fiz. Fui a todas as aulas”, explicou.

OBMEP

A OBMEP foi dividida em duas fases. Na primeira, todos os alunos participaram. Na segunda, foram 913.889 estudantes. Na olimpíada, as provas são divididas em três níveis. O de número um é para alunos do sexto e do sétimo anos do Ensino Fundamental e o nível dois para aqueles que cursam o oitavo e o nono anos. Para finalizar, o nível três é para todos os que cursam o Ensino Médio.

Após a realização das provas, 500 alunos são premiados com a medalha de ouro, 1.500 são agraciados com a prata e 4.500 com o bronze.

Preparação

Os resultados alcançados pela escola amazonense foram consequência de meses de preparação. De acordo com o Suboficial Alexandre, foi dada uma atenção específica para a olimpíada. “Cada ano a preparação fica mais intensa. Neste ano, eu dei mais aulas, fizemos mais atividades em classe e extraclasse. A gente sempre atua no contra turno. Os alunos da manhã também vem à tarde, e os da tarde vem pela manhã”, explicou.

Quem participou dessas aulas foi o aluno, medalhista de bronze, Denison Junio Silva que descreveu sua rotina de estudos. “Durante a semana, fazia as provas que o professor passava e, no sábado, fazia aulas extras”, falou.

A OBMEP também contribuiu para que alguns estudantes da escola descobrissem seus potenciais e passassem a gostar de matemática. “Eu não me interessava pela OBMEP, era um aluno um pouco bagunceiro, mas meu pai disse que eu podia fazer [a prova], podia melhorar. Aí vim fazer as aulas. Conversava e tirava notas mais ou menos. Na quinta aula, comecei a me interessar. Depois, minhas notas começaram a melhorar, foram para nove, nove e meio”, contou o aluno do sexto ano Paulo Henrique Araújo.

Passadas as provas, os alunos já pensam na OBMEP 2017. “Foi a minha primeira OBMEP. Espero ganhar medalhas e menções no próximo ano”, disse o aluno Adriel de Jesus, que conquistou uma menção honrosa.

(CECOMSAER/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *