Atletas militares olímpicos visitam a Casa da Moeda do Brasil

Atletas militares olímpicos visitam a Casa da Moeda do Brasil

O dia 28 de setembro foi de muita informação para os atletas militares olímpicos que estiveram na Casa da Moeda do Brasil, no Rio de Janeiro (RJ). Na ocasião, eles conheceram como foram produzidas as tão desejadas medalhas olímpicas, além de realizarem uma visita guiada aos setores de confecção de cédulas e de produção de passaportes.

Comitiva durante a visita
Comitiva durante a visita

Durante a apresentação de como as  foram idealizadas e produzidas, os atletas aprenderam, por exemplo, sobre os detalhes da elaboração do molde da deusa Nike, que teve seu desenho adaptado às características da mulher brasileira ao ser impressa no verso da medalhas. Também tiveram a oportunidade de pegar e sentir o peso das medalhas olímpicas e paralímpicas. Cada uma delas pesa em torno de 500g e possui em sua composição 6g de ouro. Um diferencial das medalhas que foram produzidas para os Jogos de 2016, foi a aplicação de ouro sem mercúrio, mostrando a preocupação brasileira com a produção sustentável.

Já as medalhas paralímpicas têm uma característica diferencial. Foram produzidas com um espaço interno reservado para a inserção de bolinhas de metal, que emitem som ao serem balançadas. As medalhas de ouro, de prata e de bronze emitem um som com intensidade diferente para que os portadores de deficiência visual pudessem identificá-las. Segundo o Gerente Executivo das divisões de moedas, Erinaldo Silva de Brito Junior, foram produzidas 5.130 medalhas de premiação.

Ao passarem pela seção da confecção de cédulas, os atletas conheceram todo o processo de inserção das folhas de algodão na máquina, viram como é feita a impressão em offset e que cada nota possui a sua especificidade de cores e mecanismos de segurança (impressão em alto-relevo, impressão para reflexo em luz ultravioleta). Ao todo, são impressas 12 milhões de cédulas por dia. Nessa área, conheceram também as pessoas que cuidam da seleção de notas com defeito e como é realizado o descarte dos resíduos produzidos.

Já na seção de produção de passaporte de viagem, foi possível ver como as folhas são agrupadas, costuradas, finalizadas com uma capa que possui dois microcontroladores e personalizada com a foto e os dados do solicitante. No quesito segurança, mostraram que cada cédula possui uma marcação diferente e que a linha usada para costurá-las, em contato com a luz, muda de cor, simbolizando mais um item de segurança. Cada passaporte leva de 10 a 15 dias para ficar pronto e ser entregue.

Confira no vídeo a visita dos atletas militares na Casa da Moeda do Brasil:

(CCSM / FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *