Black Hawk resgata crianças em aldeia indígena no Pará para tratamento médico

Black Hawk resgata crianças em aldeia indígena no Pará para tratamento médico

Evacuação Aeromédica aconteceu na aldeia de Cuxaré, no estado do Pará, a 900km de Belém

Um helicóptero H-60 Black Hawk, do Esquadrão Harpia (7º/8º GAV), decolou às 22h do último sábado com destino à aldeia de Cuxaré, no noroeste do Pará, para resgatar duas crianças que necessitavam de atendimento médico emergencial. De Manaus (AM), onde está sediado o esquadrão, foram seis horas de voo até a reserva indígena, com uma parada em Santarém (PA) para aguardar a luz do dia. Os oito militares que estavam a bordo – tripulantes, resgateiros, um médico e um enfermeiro – levaram as crianças, de 1 e 8 anos, para serem atendidas em um hospital de Macapá (PA).

black-hawk-resgata-1

Segundo o médico, Tenente André Cavalcante Saraiva, o menino, de apenas um ano de idade, estava com queimaduras de 2º e 3º graus após ter caído, acidentalmente, dentro de uma fogueira, dois dias atrás. A área corporal queimada era de 12% a 15% e o risco maior é o de infecção. A queimadura estava sendo tratada pela técnica de enfermagem da aldeia apenas com pasta de água que, segundo o médico, não alivia a dor, tampouco trata os ferimentos. “Nossa maior preocupação com ele não é a queimadura em si, mas sem a proteção da pele o corpo fica sensível a infecções, especialmente para crianças. Avalio que, mais dois dias sem socorro, e ele poderia desenvolver septisemia, que é uma infecção generalizada grave”, explica o Tenente André. Já a menina, de oito anos, estava com uma possível fratura ou luxação no tornozelo.

black-hawk-resgata-2

Um dos pilotos do helicóptero, Tenente Pedro Thiago da Silva Parra, afirma que essa foi a primeira Evacuação Aeromédica (EVAM) de que ele participou. O oficial conta que poder ajudar as pessoas foi uma das motivações para que optasse por servir no Esquadrão Harpia e explica que a aldeia indígena fica em um local isolado, sendo que a única forma rápida de chegar até lá é por via aérea. “Posso dizer que ajudar a prestar socorro a essas crianças foi a realização de um sonho”, afirma o Tenente Parra.

(CECOMSAER/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *