Brasil conquista medalhas inéditas e judô deixa o país em 1º no ranking da modalidade em Jogos Mundiais Militares

Mungyeong, 06/10/2015 – O time militar brasileiro que disputa os 6º Jogos Mundiais Militares, na República da Coreia, encerrou o primeiro ciclo da competição com desempenho melhor se comparado ao obtido na edição anterior, em 2011, no Rio de Janeiro. A equipe do judô, por exemplo, fechou a participação com duas medalhas de ouro por equipe e mais nove medalhas individuais, sendo três de ouro, três de prata e três de bronze. Com essa quantidade de medalhas o Brasil terminou em primeiro lugar no ranking nessa modalidade.

Judô deixa o país em primeiro no ranking da modalidade em Jogos Mundiais Militares (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

Judô deixa o país em primeiro no ranking da modalidade em Jogos Mundiais Militares (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

Para deixar os atletas e os integrantes da delegação mais empolgados, o país obteve um ouro inédito no ciclismo com o sargento da Força Aérea Brasileira (FAB) Magno do Prado Nazaret, na prova contra o relógio. Com a marca, o sargento Magno foi considerado o mais rápido desta modalidade no mundo. Já a sargento Ana Paula Polegatch, também da FAB, na prova contra o relógio, ganhou medalha de prata para o Brasil.

Foto: Felipe Barra / MD

Foto: Felipe Barra / MD

O dia fechou com o sargento Renzo Agresta, do Exército, que conseguiu medalha de ouro na esgrima. Essa conquista é inédita nesse esporte para o país. A euforia foi tamanha que após sair do local onde lutou, os demais integrantes da equipe o carregaram nos ombros, jogando-o para cima e mostrando que a conquista serviu para consolidar esse esporte pouco conhecido no Brasil.

No atletismo, a sargento Rosângela dos Santos assegurou um ouro nos 100 m. A enxurrada de medalhas foi somada com a equipe do tiro, medalha ouro na modalidade fogo central por equipes.

Deste modo, o Brasil fechou mais um dia de competição em segundo lugar no quadro de medalhas: são 10 de ouro, seis de prata e três de bronze. A China, em terceiro lugar, tem seis de ouro, três de prata e 12 de bronze. A anfitriã Coreia ocupa o quarto lugar com 13 medalhas. A liderança é da Rússia com 34 medalhas, sendo 18 de ouro, sete de prata e nove de bronze.

Ouro na Esgrima

O sargento do Exército Renzo Agresta fez história nesta terça-feira (06) ao ganhar a primeira medalha para o Brasil na esgrima em edições de Jogos Mundiais Militares. A conquista inédita veio logo com um ouro, ao vencer por 15 a 4 o italiano Giovanni Repetti, na arma sabre, no KAFAC Indoor Courts, em Mungyeong.

O sargento do Exército Renzo Agresta fez história na Coreia (Foto: Felipe Barra / MD)

O sargento do Exército Renzo Agresta fez história na Coreia (Foto: Felipe Barra / MD)

“Estou muito feliz. Acredito que essa medalha representa o momento de evolução pelo qual a esgrima vem passando. É uma experiência incrível. É o melhor resultado da minha carreira”, comemorou Agresta.

Para o chefe da equipe de esgrima, major do Exército Fábio Loureiro, a medalha de ouro deve servir para incentivar o esporte no Brasil.“Essa conquista sintetiza todo um trabalho que vem sendo desenvolvido desde 2011, era um resultado que estávamos precisando. O número de praticantes de esgrima vem crescendo no Brasil e uma medalha como esta certamente ajuda a difundir ainda mais o esporte no país”, analisa o major Loureiro.

Atletismo

Os atletas brasileiros garantiram sua fatia nas medalhas distribuídas nesta terça-feira, nas modalidades do atletismo. O sargento da FAB Darlan Romani ganhou o ouro no arremesso de peso, enquanto a sargento do Exército Rosangela Cristina Oliveira Santos garantiu o ouro nos 100 metros rasos. Romani conseguiu a liderança da prova logo no primeiro arremesso, com uma marca de 20,08 metros.

A sargento do Exército Rosangela Oliveira garantiu ouro nos 100 metros rasos (Foto: Felipe Barra / MD)

A sargento do Exército Rosangela Oliveira garantiu ouro nos 100 metros rasos (Foto: Felipe Barra / MD)

“É um sonho subir no pódio e ouvir o Hino do Brasil tocar”, afirmou o atleta, recordista brasileiro da modalidade. “A gente luta muito e agradece as Forças Armadas, a Força Aérea em especial, por estar dando essa oportunidade. É muito gratificante. A gente trabalha duro, sempre quer ganhar, mas quando chega, acaba ficando sem palavras, é algo muito emocionante, é uma história a mais para contar”, complementou.

Tanto para Romani como para Rosangela, essa é primeira prova no esporte militar. “Estou bastante emocionada. Não esperava o tempo, foi bastante forte em relação ao que eu vinha treinando. Estava preocupada em estar bem aqui, porém não me machucar para o ano que vem. Estou muito contente em poder ter levado essa medalha pra casa”, declarou Rosangela. Ela percorreu os 100 metros em 11,17 segundos.

Ouro também no tiro

Já na cidade de Daegu, a manhã foi de medalha de ouro para a equipe masculina de tiro, que conseguiu o primeiro lugar na pistola tiro central, 25 metros. O time é composto pelo coronel da Força Aérea Júlio Antonio de Souza e Almeida e pelos tenentes-coronéis do Exército Emerson Duarte e José Carlos Iengo Batista. O Brasil é bicampeão na prova.

Os atletas militares retomam as competições nesta quarta-feira (07). A delegação brasileira aposta em mais medalhas na natação, nos pentatlos militar e moderno, taekwondo.

Judô

Os judocas encerraram sua participação no judô, nos 6º Jogos Mundiais Militares, com chave de ouro. O Brasil levou uma medalha de ouro, duas de prata e duas de bronze nas competições individuais que aconteceram nesta terça-feira (06/10) no KAFAC Sports Center.

O judoca Walter Costa dos Santos (mais de 100 kg) garantiu a medalha de prata nos 6º JMM (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

O judoca Walter Costa dos Santos (mais de 100 kg) garantiu a medalha de prata nos 6º JMM (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

As medalhas de prata foram conquistadas pelos judocas Walter Costa dos Santos (mais de 100 kg) e Maria Portela (até 70 kg). O bronze ficou com Nadia Bagnatori Merli (até 78 Kg) e Rochele Nunes (mais de 78 kg).

Eduardo Bettoni (até 90 Kg), medalha de ouro, disputou a final com Rachid Assameur, da Argélia.

“Eu já saiba que não seria fácil. Todos os atletas que competiram eram de um nível alto, e minha categoria (até 90 kg) era a mais cheia. Mas estou bem treinado e bem preparado e isso valeu”, diz o medalhista. “O foco agora é treinar cada vez mais, pensando nos jogos olímpicos de 2016”, diz.

A sargento Maria Portela (até 70 kg) também garantiu prata para o Brasil (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

A sargento Maria Portela (até 70 kg) também garantiu prata para o Brasil (Foto: Sargento Johnson Barros / FAB)

O técnico da equipe masculina de judô, capitão do Exército Rafael Pereira Bezerra, acredita que o Brasil teve um bom desempenho nesse segundo dia de competições individuais, ainda mais contando que Leandro Guilheiro (até 81 Kg) estava machucado e não participou.

“Decidimos preservar o Guilheiro para outras competições. Acho que o resultado geral foi positivo, temos treinado muito para isso”, avalia o capitão.

Liderança no judô

O Brasil foi o primeiro colocado no quadro de medalhas no judô dos 6º Jogos Mundiais Militares com 11 medalhas, seguido por Rússia (oito) e República da Coreia (sete).

A equipe brasileira ganhou ouro pelas equipes masculino e feminino; três ouros, três pratas e três bronzes nas disputas individuais.

medalha 7

(MD ASCOM/ FM)

Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>