Cerimônia alusiva ao Dia Internacional dos Mantenedores da Paz em São Gonçalo (RJ)

Desde 1956, o Brasil envia tropas para integrar contingentes militares a pedido da Organização das Nações Unidas (ONU) com o propósito de manter a paz e a segurança internacional. Conhecidos como “Boinas Azuis”, em referência ao tradicional símbolo de sua atuação, estes militares são anualmente homenageados em 29 de maio, data instituída pela ONU como Dia Internacional dos Mantenedores da Paz das Nações Unidas.

Desfile do destacamento de Mantenedores da Paz

Desfile do destacamento de Mantenedores da Paz

Em reconhecimento à coragem e determinação desses homens e mulheres, que voluntariamente deixaram sua pátria para levar alento e esperança a outros povos, o Comando de Operações Navais (ComOpNav) realizou uma cerimônia alusiva ao Dia dos Mantenedores da Paz no Comando da Tropa de Reforço, localizado na Ilha das Flores, em São Gonçalo (RJ). O evento foi presidido pelo próprio Comandante de Operações Navais, Almirante-de-Esquadra Wilson Barbosa Guerra, e contou com a presença de autoridades civis e militares, sendo abrilhantado com a participação de destacamentos representativos do Comando-em-Chefe da Esquadra (ComemCh), do Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN), do Comando da Força de Fuzileiros da Esquadra (ComFFE), da Associação de Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais (AVCFN) e, especialmente, dos militares que já integraram Missões de Paz pela ONU. Ao término da cerimônia, foram exibidos painéis com fotografias alusivas a participações de militares da Marinha do Brasil (MB) em diversas missões de paz.

Conforme foi destacado na Ordem do Dia do Comandante de Operações Navais, o primeiro registro de participação brasileira em organismos voltados para a manutenção da paz remete ao ano de 1933, quando o país mediou, a pedido da Liga das Nações, um litígio envolvendo a Colômbia e o Peru. Após o término da Segunda Guerra Mundial, com a criação da ONU, em 1945, a comunidade internacional intensificou medidas pacíficas para a solução de diversos conflitos, tendo o Brasil participado ativamente dessas Missões de Paz, seja com observadores militares ou tropas.

No que tange à MB, nos últimos anos, destacam-se os contingentes de marinheiros e Fuzileiros Navais que tem atuado na Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL), desde 2011, e na Missão para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), iniciada há uma década, em 2004. E todas estas ações desencadeadas no presente junto a ONU são reflexos de uma gama de experiências bem sucedidas que foram adquiridas ao longo do tempo, particularmente desde 1965, quando foi ativada a Força Interamericana de Paz (FAIBRAS), nas operações levadas a efeito pela Organização dos Estados Americanos (OEA) em Santo Domingo, capital da República Dominicana, a primeira participação de contingentes de Fuzileiros Navais brasileiros em missões de paz. São quase 50 anos, levando a paz e a esperança para além das fronteiras.

(CCSM/FM)

Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>