Defesa celebra Dia Mundial da Saúde e destaca ações das Forças Armadas

Defesa celebra Dia Mundial da Saúde e destaca ações das Forças Armadas

Por todo o Brasil, as Forças Armadas apoiam ações de promoção à saúde da população. Hoje, 7 de abril, celebra-se o Dia Mundial da Saúde e o Ministério da Defesa destaca a atuação expressiva dos militares em diversas áreas. No momento, a ação de maior destaque é o combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus, que ocorre paralelamente ao atendimento a indígenas e comunidades ribeirinhas, que moram em locais de difícil acesso, campanhas de doação de sangue e transporte de órgãos doados.
 
Foto 1.jpg
 
Desde 21 de março do ano passado, quando foi deflagrada a Operação Covid-19, o Ministério da Defesa coordena ações que atendem todas as unidades da Federação. Após um ano ininterrupto de atividades, a logística de transporte de pacientes e distribuição de insumos atingiu 5.814 horas de voo, o equivalente a 55 voltas ao mundo.
 
Foto 2.jpg
 
Além disso, foram capacitadas 36 mil pessoas para descontaminação de locais públicos, com 8,3 mil desinfecções. Houve produção de 748 mil máscaras de proteção e 15,5 mil campanhas de conscientização. Foram doadas mais de 1,2 milhão de cestas básicas. Para o cumprimento da missão, cerca de 34 mil militares se dedicam à Operação.
 
Desde o início da vacinação contra a Covid-19, foram imunizados aproximadamente 300 mil indígenas com a primeira dose e outros 224 mil com a segunda. Cerca de 195 mil pessoas receberam o insumo em áreas mais remotas.  
 
Navios de Assistência Hospitalar
Em outra frente de atuação, destacam-se os Navios de Assistência Hospitalar (NAsH), da Marinha. As embarcações prestam atendimento médico, odontológico e de orientação sanitária para comunidades ribeirinhas e indígenas. O apoio é executado durante todo o ano por meio dos NAsH, conhecidos como “Navios da Esperança”.
 
Foto 3.jpg
 
Localidades distantes da Região Amazônica são alcançadas pelos navios “Oswaldo Cruz”, “Carlos Chagas”, “Dr. Montenegro” e “Soares de Meirelles”. Desde 29 de março, o Navio “Doutor Montenegro” presta assistência às populações dos municípios de Alto e Médio Juruá, no Acre. Devido à pandemia, antes de partir, os 99 militares que integram a missão, entre profissionais de saúde e tripulação, cumpriram quarentena preventiva contra a Covid-19. A assistência nos municípios acreanos prosseguirá por cinco semanas.
 
Antes da missão no Acre, as equipes dos NAsH atenderam comunidades do Rio Solimões, Japurá e Furo do Aranapú, no Amazonas. Ainda apoiaram campanha de vacinação contra a Covid-19 em comunidades rurais às margens do rio Amazonas e do rio Negro. 
 
Doação de sangue
A Campanha “Ajudar está no nosso sangue”, criada pelo Exército, contribui para ampliar o estoque de sangue dos hospitais e hemocentros de todo o país. O ato voluntário e de solidariedade das tropas soma, desde abril do ano passado, mais de 46 mil doações. Estas ações beneficiaram acima de 187 mil pessoas.
 
Foto 4.jpg
 
As campanhas para doação de sangue são atividades regulares da Força Terrestre e ocorrem mensalmente. Apenas em março, houve ações em Londrina e Curitiba, no Paraná, em Bauru e Lins, em São Paulo, e em João Pessoa.
 
Somado aos esforços da campanha “Ajudar está no nosso sangue”, outras 41 mil doações foram feitas no contexto Operação Covid-19 por militares das três Forças.
 
Transporte de órgãos
Salvar vidas também é missão da Força Aérea Brasileira (FAB), que transporta órgãos e tecidos para serem transplantados. Neste ano, 69 órgãos foram transportados pelos militares. Em 2020, as aeronaves da FAB foram acionadas para 151 missões, com o total de 170 órgãos transportados. Entre os mais transportados estão fígado, coração e rim.
 
Foto 5.jpg
 
De 2016 a 2020, 993 pessoas foram beneficiadas com essas missões. As aeronaves permanecem disponíveis para as demandas de Transporte de Órgãos, Tecidos e Equipes (TOTEQ), bem como a tripulação dos Esquadrões de Transporte.
 
O processo de transporte de órgãos inicia quando a Central Nacional de Transplantes (CNT) é acionada por uma central estadual, que informa a existência de órgão ou tecido em condições clínicas de transplante. A CNT verifica a disponibilidade de voos comerciais e quando não há, o Comando da Aeronáutica (COMAER) é acionado para coordenar o translado. Nestas missões, as aeronaves têm prioridade para pousos e decolagens, pois o tempo de preservação dos materiais é relevante para o sucesso do procedimento.
 
Missões cumpridas
A capilaridade das Forças Armadas é imprescindível  no apoio à saúde em locais de difícil acesso. Em benefício de toda a população e em parceria com o Ministério da Saúde, as Forças Armadas já atuaram em outras frentes.
 
Foto 6.png
 
Em 1993, foi instituída a Operação Gota para frear um surto de sarampo em populações indígenas das regiões de Purus, Juruá e Solimões, no Acre e Amazonas. De lá para cá, essa iniciativa tem contribuído para imunizar  populações isoladas da Região Norte, também contra febre amarela e meningite.
 
As Forças Armadas também estão presentes no combate à dengue, causada pelo mosquito Aedes aegypti, bem como as doenças chikungunya e zika. Em 2015 e 2016, para o enfrentamento da epidemia, os agentes de saúde contaram com parceria dos militares para identificação de focos do mosquito nas áreas mais atingidas do país. Eles atuaram orientando comunidades sobre a importância dos cuidados, aplicaram larvicidas onde havia água parada e reforçaram o atendimento de pacientes com suspeita das doenças.
 
Foto 7.png
 
Por Isabela Nóbrega e Viviane Oliveira, com informações das Forças Armadas
Fotos: Divulgação/MD

(MD ASCOM/FM)
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *