Escola Brigadeiro Camarão recebe 12 medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática

Escola Brigadeiro Camarão recebe 12 medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática

Instituição de ensino conveniada da FAB conquistou três medalhas de prata e nove de bronze

Alunos da Escola Estadual Brigadeiro João Camarão Telles Ribeiro, localizada em Manaus (AM), receberam 12 medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), referente ao ano 2014. A premiação foi realizada na sexta-feira (14/08) na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). O colégio é conveniado à Força Aérea Brasileira (FAB) por meio do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR).

MEDALHA 1

A OBMEP é dividida em duas fases. Na primeira etapa, cerca de 18 milhões de estudantes, de aproximadamente 46 mil escolas, de todo o País fizeram a prova. A segunda fase foi realizada apenas pelos alunos classificados na primeira prova. A Escola Brigadeiro Camarão obteve 44 jovens classificados entre os 907 mil participantes.

O resultado foi a conquista de três medalhas de prata e nove de bronze. O colégio também foi agraciado com nove menções de honra, premiação para aqueles que não ganharam medalhas, mas obtiveram boa classificação. Cada aluno premiado com medalhas também recebe uma bolsa de iniciação científica e, uma vez por mês, vai à UFAM assistir aulas de matemática. As provas foram aplicadas para alunos do sexto ao nono ano e para o ensino médio.

O aluno da terceira série do ensino médio, André Victor Bernardino de Oliveira, foi premiado com a medalha de bronze. Ele acredita que o prêmio pode abrir portas no futuro. “Pela orientação que recebemos dos professores e pelo que vemos na televisão, as pessoas que ganham esta medalha têm mais chances na universidade, mais possibilidades de conseguir fazer intercâmbio e arranjar um bom trabalho. É bom para o currículo. A medalha também traz satisfação pessoal porque vemos que o estudo e a dedicação dão frutos”, afirmou.

A escola coleciona resultados de sucesso e prêmios municipais, estaduais e nacionais. Para o diretor do colégio, Suboficial da Reserva Marcos Antônio Alvim de Assis, as conquistas ocorrem devido à integração entre alunos, pais e professores. “É o resultado do trabalho conjunto e da união de todos para a conquista dos objetivos. Dessa forma, cria-se um ambiente e uma identidade. Damos a oportunidade aos alunos de participarem de diferentes atividades e mostramos a importância delas”, disse.

Os alunos passaram por um processo específico de preparação para as provas. Os estudantes tinham aulas voltadas para a Olimpíada no turno em que não estavam tendo as aulas regulares da escola e, também, aos sábados. Todas as aulas foram dadas pelo Suboficial Alexandre Duarte da Silva, professor de matemática da escola. De acordo com o militar, todas as salas de aula ficavam cheias e ele sempre buscava um meio de prender a atenção dos jovens.

MEDALHA 2

“A motivação é o principal. É necessário mostrar que a matemática é legal e serve para o dia a dia. Quando o aluno percebe essa aplicação, ele se motiva. Eu posso, por exemplo, escolher vários tamanhos de uma garrafa de refrigerante, de um litro, dois litros, dois litros e meio e perguntar qual seria a mais barata ou criar situações que envolvam a cotação do dólar, entre outros exemplos”, explica.

(CECOMSAER/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *