Força-Tarefa realiza substituição de Contingente

Força-Tarefa realiza substituição de Contingente

No final do mês de junho, cerca de 140 militares chegaram a Boa Vista para compor o segundo contingente da Força-Tarefa Logística Humanitária para o estado de Roraima. A maioria do efetivo do grupamento pertence ao Comando Militar do Sul para continuar o trabalho realizado na Operação Acolhida com os imigrantes em situação de vulnerabilidade. O comandante da 1ª Brigada de Infantaria de Selva, General de Brigada Dutra, deu as boas-vindas ao segundo contingente, que chegará ao total de 437 militares, falando sobre a expectativa daqueles que chegam a Roraima para participar de uma missão inédita. Sobre o histórico da Operação, o General Dutra relatou como a Acolhida foi implantada através da criação da Medida Provisória nº 820/2018 e dos Decretos nº 9.285 e 9.286/2018. Ele ressaltou que a resposta da Força-Tarefa à situação de vulnerabilidade dos imigrantes foi imediata e extremamente eficiente. Foi ressaltada a capacidade de planejamento da Força-Tarefa para cumprir a missão humanitária. E sobre o trabalho da Brigada, que além de ser a responsável pela Operação Controle na fiscalização da fronteira, também cedeu uma parte do seu efetivo para a Operação Acolhida. O Chefe do Estado-Maior Conjunto da Força-Tarefa (ChEM Cj FT), Coronel Kanaan, expôs a situação atual das atividades da Operação Acolhida. DO Coronel destacou o fator novidade, afirmando que o país nunca recebeu uma imigração como essa. Além de ter apresentado os oficiais que compõem o Estado-Maior, apresentou também os órgãos e agências participantes da Força-Tarefa. O primeiro contingente da Força-Tarefa se despede com o sentimento de missão cumprida. É o caso do Tenente Litaiff, que foi o coordenador do abrigo Pintolândia durante três meses, período no qual teve uma considerável experiência de acolhimento, na qual pôde vivenciar as diversidades do povo indígena. O abrigo, que se diferencia por ser totalmente indígena com três etnias, recebe apoio da Força-Tarefa em estrutura e fornecimento de gêneros alimentícios. A intenção é auxiliar os órgãos gestores do abrigo Pintolândia: Secretaria de Estado do Trabalho e Bem-estar Social (SETRABES) e a Fraternidade – Federação Humanitária Internacional. O abrigo Pintolândia está alojando atualmente 754 indígenas. O novo coordenador do abrigo diz que também há um controle de entrada e saída dos indígenas, e a atenção voltada para evitar a entrada de material ilícito.

Crédito foto: 2SG Sardinha (MB)

(CCOMSEX/FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *