Jornada do Esporte Paralímpico e das Forças Armadas do Brasil ocorre na EsEFEx

Jornada do Esporte Paralímpico e das Forças Armadas do Brasil ocorre na EsEFEx

Rio de Janeiro (RJ) – A Escola de Educação Física do Exército realizou, no dia 19 de outubro, a Jornada do Esporte Paralímpico e das Forças Armadas do Brasil, com o objetivo de discutir a inclusão social de militares e civis por intermédio do esporte.

O tema da abertura foi o Projeto “João Carlos de Oliveira (João do Pulo)”, das Forças Armadas Brasileiras, que possui quatro núcleos pilotos: o Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes, a Universidade da Força Aérea, o Colégio Militar de Brasília e o Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx).

paralimpico

Após a palestra inicial, foi aberta a mesa redonda para discussões a respeito de militares no paralimpismo. O Capitão de Mar e Guerra Luiz Serrano discursou sobre o Conselho Internacional do Desporto Militar (CISM) Para-Sport, iniciativa desenvolvida após a percepção do aumento do número de militares com deficiências. Na sequência, o Professor Doutor Leonardo Mataruna palestrou sobre o desafio das Forças Armadas brasileiras diante dos Jogos Paralímpicos e o “Invictus Games”. “É hora de se repensar a questão da deficiência nas Forças Armadas e gerar novas oportunidades ao militar lesionado”, afirmou.

No decorrer da tarde, diversos outros temas foram discutidos, sobretudo com sugestões para as Forças Armadas brasileiras, ante a moderação do 1º Tenente (RM2-T) Erik Bueno de Ávila. O Capitão da Polícia Militar de São Paulo Marcelo Vinícius Rezendeapresentou um caso sobre a instituição paulistana, e o Coronel Médico (Ref) Luiz Antônio Ferreira da Silva falou sobre o caso da Força Aérea Brasileira.

Por fim, o Professor Doutor Lamartine Pereira da Costa apresentou o tema “A Agenda 2020 e o futuro do Esporte Paralímpico diante do universo militar”. Além disso, o Professor Luiz Fernando Rojo Mattos falou sobre as paralimpíadas e os novos consumidores do esporte adaptado; e Rafael Barros apresentou sobre “Televisão e o Esporte Paralímpico: de Londres 2012 ao Rio 2016”.

(CCOMSEX / FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *