Logística das Forças Armadas é crucial na Operação Covid-19

Logística das Forças Armadas é crucial na Operação Covid-19

Desde o início da Operação Covid-19, a logística das Forças Armadas Brasileiras tem demonstrado sua capacidade em viabilizar o trabalho dos militares em todo o território nacional.

esta imagem não possui descrição

Com 8,5 mil Km², uma dimensão continental, o País possui distâncias internas que exigem muito do poder de mobilização das Forças. Só para se ter noção do esforço logístico, a distância terrestre entre Boa Vista (RR) e Porto Alegre (RS) (5.231,3 km) é maior que entre Lisboa/Portugal e Moscou/Rússia (4.576,8 km). Somam-se a isso as diferentes condições climáticas, a orografia, a vegetação, a hidrografia etc, óbices naturais que tornam complexos o planejamento e a execução do transporte, da manutenção e do suprimento.

É com essas características fisiográficas que o Ministério da Defesa ativou 10 Comandos Conjuntos em todo o território. Para cumprir a missão imposta para a Operação Covid-19, as organizações militares necessitam de um apoio que mantenha a operacionalidade da tropa.

Para realizar o transporte de mais de 20.000 militares e de equipamentos, muitas vezes em grandes distâncias e em locais de difícil acesso, o Exército Brasileiro, a Marinha do Brasil e a Força Aérea Brasileira utilizam centenas de viaturas, dezenas de embarcações e uma aeronave.

É nesse contexto, operando 24 horas por dia, que a complexa logística viabiliza e sustenta o emprego de meios de tamanha magnitude, espalhados em todo o País. Além do transporte de militares e de equipamentos, o esforço silencioso proporciona a alimentação da tropa; a manutenção do que está sendo empregado; o suprimento de diferentes tipos de combustíveis; o fornecimento de remédios etc.

Cozinha de Campanha do Comando Militar do Sul, com capacidade de produzir até 400 etapas por refeição/Tenente NascimentoCozinha de Campanha do Comando Militar do Sul, com capacidade de produzir até 400 etapas por refeição/Tenente Nascimento

No Comando Conjunto Sul, que engloba os estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, a tropa que está sendo empregada na frente de combate contra o COVID-19, que são mais de 6 mil militares, tem ainda, à retaguarda, outros tantos militares que, diuturnamente, atuam no apoio logístico, como: montagem de barracas para centros de triagem em hospitais, prontos socorros e unidades de pronto atendimento; distribuição de água para quem sofre com a estiagem; entrega de alimentos aos mais vulneráveis; participação em campanhas de doação de sangue para reposição dos estoques hospitalares e outras ações que são solicitadas pelas defesas civis estaduais da região Sul do Brasil.

 Comboio de viaturas do Comando Militar do Sul, conduzindo tropa e meios materiais para a região fronteiriça do País./ Tenente NascimentoComboio de viaturas do Comando Militar do Sul, conduzindo tropa e meios materiais para a região fronteiriça do País./ Tenente Nascimento

Ao mesmo tempo, do outro lado do País, em Boa Vista (RR), as Forças Armadas estão trabalhando numa Área de Proteção e Cuidados para atender, a princípio, brasileiros e venezuelanos com suspeita ou confirmação de coronavírus. Montado inicialmente com 80 leitos, sua capacidade pode ser ampliada rapidamente em até 1.200 leitos, graças à flexibilidade e à expertise dos meios logísticos.

Montagem de leitos em Boa Vista/RR./Major Costa SilvaMontagem de leitos em Boa Vista/RR./Major Costa Silva

Devido a esse suporte invisível, atividades como vacinação, produção de medicamentos, ações de descontaminação de áreas públicas, entre tantas outras, têm sido executadas conforme o planejado.

A Operação Covid-19

A Operação Covid-19 foi iniciada em 21 de março, para apoiar estados e municípios no enfrentamento à pandemia de coronavírus no país. Para essa missão, foram ativados 10 Comandos Conjuntos responsáveis por realizar apoio logístico e ações como desinfecções de espaços públicos, montagem de hospitais de campanha, auxílio à população em quarentena, dentre diversas outras ações.

 Por Coronel Fontes

(MD ASCOM/FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *