Operação Amazônia realiza Ação Cívico-Social com a expectativa de 2 mil atendimentos

Operação Amazônia realiza Ação Cívico-Social com a expectativa de 2 mil atendimentos

Manaus, 16/10/2016 – A Operação Amazônia 2016 continua, neste domingo (16), com Ação Cívico-Social (ACISO) em Iranduba (AM). Cedo, o hospital de campanha da Força Aérea Brasileira já realizava o encaminhamento das pessoas para atendimento de saúde, em diversas especialidades. São esperados cerca de 2 mil atendimentos médicos, até o dia 18 de outubro. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, esteve no local, a fim de acompanhar a atividade.

atendimentos-1

As pessoas são encaminhadas pela triagem inicial na Unidade Básica de Saúde (UBS), doutor Lourenço Borghi, de Iranduba. “Tendo em vista que o município está em crescente aumento de população, éramos 40 mil e, hoje, somos mais de 90 mil habitantes, tem tido uma dificuldade em todo o estado do Amazonas. Pacientes há mais de 6 meses aguardam uma consulta. Então, esse atendimento vai ser primordial no nosso município, pois esses pacientes vão conseguir uma consulta”, relatou Ronald Oliveira Carneiro, enfermeiro, coordenador da função básica da UBS.

Entre mais de 10 especialidades disponíveis estão: clínica geral, odontologia, pediatria, cardiologia, ginecologia e dermatologia. São 47 militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica para fazer os atendimentos. Na primeira hora do dia, 69 pessoas, entre adultos, crianças e idosos fizeram consulta, mas a capacidade do hospital é de atender 160 pacientes a cada hora.

As Forças Armadas brasileiras, segundo o ministro da Defesa, desenvolvem uma gama de ações voltadas para fins sociais e de apoio às populações. Ele citou como exemplos a distribuição de água no nordeste para 4 milhões de pessoas, que vivem o drama da seca; o socorro em casos de desastres naturais, como deslizamentos ocorridos em Petropólis (RJ).

“Aqui na Amazônia o papel social, assistencial das Forças Armadas é essencial, complementando exatamente aquilo que o Estado e mesmo o Governo Federal dispõe”, afirmou Jungmann. O ministro ainda lembrou que, na Amazônia, a Marinha, o Exército e a Aeronáutica estão presentes onde ninguém mais está presente, além de garantir a soberania nacional. “O Brasil precisa se aproximar mais da Amazônia e a grande ponte são as Forças Armadas”, ressaltou.

atendimentos-2

Luíz Alberto, de 9 anos, acompanhado da mãe, estava entre os que aguardavam atendimento. O menino machucou o braço andando de bicicleta e precisava fazer um Raio X, possível no dia de hoje, graças aos serviços de radiografia disponíveis no hospital de campanha. Feliz, depois de ter sido cumprimentado pelo ministro da Defesa, ficou ao lado da mãe, Nadieje de Oliveira, que falou da importância do atendimento, “porque aqui no munícipio é difícil conseguir uma vaga, um hospital, as vezes nem consegue porque é lotado”.

Mishely Lucia de Jesus foi com as três filhas, de 6 meses, 7 e 13 anos procurar consulta da pediatria. Mishely é professora e aproveitou a oportunidade da ACISO, neste domingo, pois tem dificuldades de faltar ao serviço e de marcar consultas para a família. “Quando acontece essas coisas, até mesmo quem está distante vem para consultar as crianças”, disse. Ela mora distante de Iranduba, mas fez um esforço para estar lá e saiu satisfeita com o atendimento recebido.

atendimentos-3

A Operação Amazônia

A Operação Amazônia é coordenada pelo Ministério da Defesa e conduzida pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), com a participação do Comando Militar da Amazônia (CMA) e de organizações militares sediadas em Manaus.

O almirante Ademir Sobrinho, chefe do EMCFA, explicou que há uma grande Operação por ano. “Em 2014 foi na Amazônia, ano passado foi no Centro Oeste e ano que vem, será uma grande Operação no sul. Elas ocorrem em todo Brasil, com várias situações diferentes”, disse o almirante.

atendimentos-4

Além de estruturas como o hospital de campanha, vindo do Rio Janeiro, a Operação conta com o emprego de 44 viaturas, 28 embarcações e 9 aeronaves. A Ação Cívico-Social ocorre até 18 de outubro, quando também encerra-se a Operação Amazônia.

Foto: Felipe Barra/MD

(MD ASCOM/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *