Operações Ricardo Franco e Fronteira Sul se complementam na Região Fronteiriça do País

Operações Ricardo Franco e Fronteira Sul se complementam na Região Fronteiriça do País

Corumbá (MS) – A 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira (18ª Bda Inf Fron) atestou sua capacidade operacional no período de adestramento avançado, realizando a Operação Ricardo Franco, no período de 4 a 14 de outubro, caracterizada como de amplo espectro, com ações de guerra e de não guerra.

Outra importante realização foi a sinergia com o Comando do 6° Distrito Naval (6º DN), que conduziu a Operação Fronteira Sul no mesmo período. Essas operações foram complementares e permitiram, em várias oportunidades, a interoperabilidade entre as duas Forças. Ambas as operações desenvolveram-se no ambiente fronteiriço da calha do Rio Paraguai, desde Corumbá até Porto Murtinho.

operacao-ricardo

Diferentemente da Operação Ágata, cujo princípio era a atuação interagências para inibir ilícitos transfronteiriços, as operações Fronteira Sul e Ricardo Franco foram específicas para os grandes comandos envolvidos executarem objetivos de adestramento do instrumento militar de guerra, objetivando certificar as capacidades e o nível de operacionalidade, tanto das forças do 6º DN, como das tropas da 18ª Bda Inf Fron.

Foram empregadas tropas e meios do Comando do 6° DN, sediado em Ladário (MS), e o envolvimento de cerca de 1.250 integrantes das organizações militares de Mato Grosso do Sul, subordinadas à Brigada: 17º Batalhão de Fronteira (17º B Fron), Corumbá; 47º Batalhão de Infantaria (47º BI), Coxim; 2ª Companhia de Fronteira (2ª Cia Fron), Porto Murtinho; 3ª Companhia de Fronteira e Forte de Coimbra (3ª Cia Fron), Companhia de Comando da 18ª Bda Inf Fron e da 18ª Companhia de Comunicações de Fronteira, sediadas em Corumbá.

A área das operações na primeira fase concentrou-se no município de Corumbá e Ladário, com o emprego do 47º BI e da 3ª Cia Fron em ações de marcha para o combate, combate em ambiente urbano, operações aeromóveis, ações de menor vulto do cenário da guerra híbrida e na realização de uma ação cívico-social (ACISO) na região de Porto da Manga, em parceria com a Organização não Governamental Amigos do Coração.

operacao-ricardo2

A segunda fase foi desencadeada no município de Porto Murtinho, com a participação do 17º B Fron e da 2ª Cia Fron com a execução de uma operação de evacuação de não combatentes e operações aeromóveis, além de uma operação ribeirinha conjunta, com meios e pessoal da Marinha, na qual se destacou a marcha de combate fluvial, o desembarque em cabeça de praia ribeirinha, a ultrapassagem, a marcha para o combate e posterior junção com tropa figurada da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada.

Destacaram-se, durante a operação, o emprego de embarcações de patrulha, transporte e monitoramento, de dotação da Marinha do Brasil, e o emprego de meios do 3° Batalhão de Aviação do Exército, como Embarcações Patrulha de Grupo, Embarcações Patrulha de Esquadra, Embarcações Guardian e Forte de Coimbra e helicópteros, que ampliaram o poder de combate das tropas em operação.

 O exercício foi marcado pela interoperabilidade entre a Marinha do Brasil e o Exército Brasileiro, permitindo a consecução, de forma simultânea e complementar, dos objetivos conjuntos propostos inicialmente.

(CCOMSEX / FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *