População do Arquipélago do Marajó recebe apoio de militares no combate à Covid-19

População do Arquipélago do Marajó recebe apoio de militares no combate à Covid-19

Em apoio à saúde pública do Arquipélago do Marajó, no estado do Pará, o Ministério da Defesa, por meio do Comando Conjunto Norte (CCN), realizou diversas ações voltadas para o combate à pandemia do novo coranavírus.

As atividades integram a Operação COVID-19 e foram divididas em quatro fases, com o deslocamento logístico de 145 militares, 15 viaturas, duas embarcações ferry boat, uma balsa e um helicóptero, além de diversos materiais de apoio. Os militares partiram de Belém, no Pará, e do Macapá, no Amapá.

esta imagem não possui descrição

Distante cerca de 90 Km da capital paraense, e localizado em Área de Proteção Ambiental, o arquipélago do Marajó está separado do continente pelo delta do Amazonas, pelo complexo estuário do rio Pará e pela baía do Marajó.  Dessa forma, o acesso à maior ilha flúvio-marítima do mundo, banhada tanto por águas fluviais, dos Rios Amazonas e Pará, quanto por oceânicas, do Atlântico, se faz somente por via fluvial ou aérea.

À dificuldade causada pela distância geográfica, soma-se a grande extensão territorial e zonas rurais e ribeirinhas de difícil acesso. Mesmo assim, em função do poder logístico e estratégico das Forças Armadas, foi possível prestar assistência para a população local.

As tropas do CCN atuaram no combate ao novo coronavírus em Afuá, Chaves, Soure, Salvaterra, Cachoeira do Arari, Breves, São Sebastião da Boa Vista, Curralinho, Muaná, Ponta de Pedras, dentre os 16 municípios que formam o arquipélago. A população soma 500 mil habitantes.

“O vírus é invisível e o Exército vem prestar uma grande ajuda, bloqueando a proliferação da Covid, principalmente com a limpeza em pontos críticos dos municípios”, avaliou Luiz Hernánio, comerciante na cidade de Cachoeira do Arari.

As tropas do CCN descontaminaram calçadas, escolas públicas, praças, trapiches, terminais hidroviários, navegações, mercados municipais e unidades de saúde. Os locais foram pulverizados com produtos químicos desinfetantes.

esta imagem não possui descrição

Também, foram feitas doações para diversas comunidades da região.  Famílias em situação de vulnerabilidade social receberam kits de alimentação, além de máscaras em tecido, produzidas por militares do Parque Regional de Manutenção/8, e sabonetes doados por empresa de cosméticos.

esta imagem não possui descrição

Ainda como parte das ações, o CCN promoveu campanhas de conscientização, com orientações e entrega de panfletos informativos aos moradores que transitavam em locais com grande circulação de pessoas. Os militares permaneceram no Arquipélago de 27 de abril a 22 de maio.

Operação COVID-19

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando Aeroespacial (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do governo federal no enfrentamento à pandemia que recebeu o nome de Operação COVID-19.

esta imagem não possui descrição

As demandas recebidas pelo Ministério da Defesa, de apoio a órgãos estaduais, municipais e outros, são analisadas e direcionadas aos Comandos Conjuntos para avaliarem a possibilidade de atendimento. De acordo com a complexidade da solicitação, podem ser encaminhadas ao Gabinete de Crise, que determina a melhor forma de atendimento.

Com informações do CCN

Fotos: divulgação Forças Armadas
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *