Rio 2016: Militares que farão parte do esquema de segurança chegam ao Rio de Janeiro

Rio 2016: Militares que farão parte do esquema de segurança chegam ao Rio de Janeiro

Brasília, 14/07/2016 – No decorrer desta semana, militares de diversas regiões do País que integrarão a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 começaram a chegar ao Rio de Janeiro (RJ) para a concentração final.

Ministro Jungmann acompanha um dos voos rumo ao RJ levando mais de 200 militares da FAB e da Marinha
Ministro Jungmann acompanha um dos voos rumo ao RJ levando mais de 200 militares da FAB e da Marinha

A partir do próximo dia 24/07, os mais de 21 mil militares das Forças Armadas que ficarão na capital fluminense já estarão em condições de atuar, juntamente com os órgãos de Inteligência e Segurança Pública, para assegurar um ambiente tranquilo e pacífico aos turistas, brasileiros e delegações.

Nesta sexta-feira, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, acompanha um dos voos rumo à cidade do Rio de Janeiro levando mais de 200 militares, da Força Aérea Brasileira (FAB) e da Marinha do Brasil. Vindos de batalhões de Manaus (AM), Belém (PA) e Brasília (DF), esses militares atuarão em ações de Defesa Nacional e, no caso da tropa vinculada à FAB, atuarão nos saguões e o entorno do aeroporto Galeão, e ao longo das principais vias de acesso ao aeroporto, principal porta de entrada de delegações e turistas.

O voo também levará ao RJ cerca de 100 fuzileiros navais que serão empregados em ações de garantia da lei e da ordem, em atendimento ao pedido do governo do estado que solicitou apoio extra das Forças Armadas para ações de Segurança Pública.

A aeronave utilizada para esse transporte é um Boeing 767, alugado pela FAB para ampliar sua capacidade de transporte estratégico. Além do transporte de tropas que atuarão nos Jogos Olímpicos, a aeronave também será usada em missões de ajuda humanitária, missões diplomáticas e de transporte aerologístico. A aeronave pode transportar 257 pessoas, possui capacidade de carga de 38 toneladas, somando os dois porões, e volume de 115m3.

Os militares da Marinha que embarcam nessa aeronave pertencem ao Batalhão de Operações Ribeirinhas de Manaus. Já os da FAB são do Batalhão de Infantaria Especial de Manaus e Belém, Batalhão de Infantaria de Boa Vista e Porto Velho e Companhia de Infantaria de Alcântara. Eles passaram por mais de 100 horas de instrução específica para o evento e ficam no Rio até o final das Paraolimpíadas.

Aeronave de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (DQBRN)

Todo país que se propõe a sediar um evento da magnitude dos Jogos Olímpicos precisa contar uma rede de atendimento a possíveis incidentes químicos, biológicos, radiológicos ou nucleares. No Brasil, tais procedimentos ficam a cargo das Forças Armadas, e são inseridos no esforço do enfrentamento ao terrorismo, uma das atribuições da Defesa no esquema de segurança dos Jogos.

C-105 Amazonas será um dos responsáveis pela evacuação aérea em caso de ameaças QBRN
C-105 Amazonas será um dos responsáveis pela evacuação aérea em caso de ameaças QBRN

Juntamente com outros órgãos da área da Saúde e da Segurança Pública, como bombeiros, SAMU e outros, os militares passaram por diversos treinamentos, desde a Copa do Mundo e 2014, e estão prontos para lidar com qualquer tipo de ameaça desta natureza. O assessor de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear do Ministério da Defesa, coronel Chamon De Lamare, explica que o setor avançou de forma intensa com a realização dos últimos grandes eventos no Brasil. “Com a experiência adquirida em outras situações, conseguimos ampliar a nossa rede de contatos e de envolvimento dos órgãos envolvidos”, afirmou.

Durante os jogos, será montada uma estrutura para descontaminação de possíveis pacientes e algumas aeronaves estão prontas para realizar o transporte com segurança, seguindo todos os protocolos internacionais exigidos.
Ao chegar à Base Aérea do Galeão, a imprensa poderá conhecer uma das aeronaves que poderá ser usada para o transporte de vítimas, caso ocorra algum incidente químico. O C-105 Amazonas será um dos responsáveis pela evacuação aérea em caso de ameaças QBRN.

Fotos: Divulgação/FAB

(MD ASCOM/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *