Sete anos após terremoto, Missão das Nações Unidas no Haiti homenageia militares falecidos

Sete anos após terremoto, Missão das Nações Unidas no Haiti homenageia militares falecidos

Porto Príncipe (Haiti) –Force Commander da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH), general Ajax Porto Pinheiro, reuniu na quarta-feira (12), integrantes dos contingentes que compõem a missão para um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do terremoto ocorrido em 12 de janeiro de 2010. Na ocasião, o general lembrou os 18 militares brasileiros falecidos na catástrofe, além de três filipinos, três jordanianos e um uruguaio.

No memorial existente no país está a relação de nomes e os lugares onde faleceram os militares, além de objetos retirados dos escombros e de parte dos edifícios destruídos
No memorial existente no país está a relação de nomes e os lugares onde faleceram os militares, além de objetos retirados dos escombros e de parte dos edifícios destruídos

Hoje, o 25º Contingente do Batalhão Brasileiro (BRABAT) encontra-se no Haiti. São 850 militares, sendo 639 do Exército, 181 da Marinha e 30 da Força Aérea.

A participação do Brasil na MINUSTAH é uma ação conjunta das três Forças, coordenada pelo Ministério da Defesa. O treinamento dos militares para integrar o contingente começa com um ano de antecedência ao envio das tropas e é realizado pelo Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), com sede no Rio de Janeiro.

O terremoto de 2010

Há sete anos, no dia 12 de janeiro de 2010, um terremoto com magnitude 7.0 na escala Richter destruiu a capital do Haiti, Porto Príncipe, e deixou cerca 220 mil mortos, 300 mil feridos, incluindo milhares de pessoas que tiveram membros amputados, e 1,5 milhão de cidadãos desabrigados. Dentre os mortos, militares brasileiros e a presidente da Pastoral da Criança, Zilda Arns.

O desastre natural causou grandes danos à cidade e a outras localidades do país, com milhares de edifícios destruídos, incluindo o Palácio Presidencial, o edifício do Parlamento e a sede da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH).

Desastres naturais no país

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o Haiti é o país com maior número de mortes – 229.699 – por catástrofes naturais. Após o terremoto em 2010, o país sofreu com a seca causada pelo fenômeno El Niño e em 4 de outubro de 2016, foi atingido pelo furacão Matthew.

O furacão Matthew atingiu a região sul do país com ventos de até 240 quilômetros por hora, destruindo casas, arrancando postes, árvores e antenas. Cerca de mil pessoas morreram e milhares ficaram desabrigados.

Após o furacão, os militares brasileiros atuaram em várias frentes, em apoio às atividades de assistência humanitária. O componente militar da MINUSTAH continua a assistência ao governo haitiano, para a permanência de um ambiente seguro e estável no país.

Foto:divulgação Agência Brasil

(MD ASCOM/ FM)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *